Buscar
  • Flua Consultoria

A importância do controle da poluição em postos de gasolina

Por Pedro Graciano


A maior parte das pessoas deseja utilizar carros como meio de locomoção. Seja pela precariedade do sistema de transporte público, pela falta de alternativas de transporte no meio urbano ou pelas vantagens que o carro oferece, a procura pelo carro próprio é crescente no Brasil nos últimos anos. Se onde tem fumaça tem fogo, um maior número de carros circulando tem como consequência um aumento do número de postos de combustíveis nas grandes cidades. Tais postos são estabelecimentos complexos e de alto risco, por isso, devem estar estritamente dentro da lei e dos quesitos ambientais para funcionarem. Caso contrário, podem gerar impactos ambientais muito perigosos. Confira agora mais um texto do Blog da Flua, no qual você poderá entender um pouco mais sobre os postos de combustíveis e a importância do controle de poluição nestes.


Os postos de combustíveis são locais nos quais ocorrem armazenamento e venda de gasolina, diesel, etanol, óleo e outros compostos de composição complexa e cadeia molecular pesada. É muito comum que a primeira resposta para riscos associados a postos de gasolina seja o perigo de incêndio, afinal, os compostos armazenados são altamente inflamáveis. Entretanto, os postos de gasolina podem oferecer diversos outros riscos e propiciar inúmeros outros impactos ambientais se não estiverem funcionando devidamente ou se ocorrerem falhas em seus processos. Assim, é muito importante conhecer todas as possibilidades de poluição e os impactos ambientais que podem ser gerados e como eles podem ser evitados e minimizados. 


Possíveis fontes de poluição e impactos gerados:


  • Poluição do solo: Na maior parte dos postos de combustíveis, os tanques com combustível que alimentam as bombas se encontram enterrados. Um eventual vazamento dos tanques pode levar à contaminação do solo e eventualmente de lençóis freáticos. Como os combustíveis são tóxicos e demoram para ser biodegradados (principalmente o diesel), acabam contaminando e inviabilizando o solo e a água, gerando grandes riscos para todos os seres vivos nas proximidades. E se você já está achando perigoso, fica pior. A poluição não fica restrita ao solo abaixo do posto d gasolina. Uma vez no solo, os poluentes podem se propagar para qualquer área e por diferentes mecanismos de transporte, principalmente no período de chuva, podendo e atingir raízes de plantas e ultrapassar limites de áreas de proteção ambiental.



  • Poluição do ar: Todos os tanques de combustíveis possuem respiros, que são tubulações finas com uma parte subterrânea e uma parte ao ar livre que servem para manter os combustíveis com pressão adequada e atuam como extravasores em caso de excesso de combustível no tanque. Os respiros devem ser dotados de registros e de válvulas para impedir a subida de combustíveis, gases e vapores indevidos. Caso não estejam nas condições ideais de funcionamento, é possível que vapores de combustíveis e outros gases possam atingir a atmosfera e poluir o ar. Esses vapores são nocivos à saúde humana e podem contribuir para chuva ácida e para intensificação de outros impactos ambientais.


  • Contaminação de resíduos: Como toda atividade humana no planeta, os postos revendedores de combustíveis também geram resíduos sólidos. É muito importante que os resíduos gerados sejam devidamente armazenados, transportados e descartados para que em nenhum momento eles entrem em contato com combustíveis. Nesse sentido, o ideal seria que todos os postos de combustíveis contassem com Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, serviço prestado pela Flua. Esse aspecto é importante pois se o lixo entrar em contato com os combustíveis, os resíduos acabam contaminados. Como consequência, aqueles que seriam destinados à reciclagem não serão mais aceitos pelas cooperativas. O mesmo ocorre com os que seriam destinados à compostagem. E o restante dos resíduos será de alto risco para aterros sanitários, tendo em vista a contaminação. Nesse sentido, a poluição com lixo em postos de gasolina deve receber atenção extra, já que é uma situação que envolve tanto os resíduos como os combustíveis.


  • Contaminação humana: Um aspecto menos comum, mas não menos importante é a contaminação humana. Novamente, as principais causas são vazamentos em tanques suspensos de óleo ou de combustíveis. Bombas não fechadas também podem soltar combustíveis indevidamente. Com eles, é possível que os compostos gotejem na roupa ou no corpo dos indivíduos. Crianças devem ter cuidado extra pois, por curiosidade, podem acabar ingerindo os contaminantes. Outro risco associado a esse tipo de vazamentos é o de incêndios e de explosões.


Como controlar e minimizar a poluição e os impactos ambientais?


Antes mesmo do posto ser construído e receber permissão para operar, a área deve passar por estudos de impacto ambiental e receber EIA/RIMA, conforme legislação nacional. No entanto, esses estudos não devem parar por aí. Mesmo após receber as licenças de instalação e de operação, os postos devem passar por estudos periódicos para verificação dos impactos ambientais. Um posto que está em funcionamento atualmente pode ter passado por reformas, pode ter comprado novos equipamentos e mudado processos de modo que pode ser bem diferente do posto inaugurado que recebeu a licença de operação. Um exemplo dos estudos periódicos que ocorrem em postos é o Relatório Anual de Atividades Potencialmente Poluidoras (RAPP), previsto pela Lei 6938/81, o qual busca avaliar todas as atividades que ocorrem nos postos e estabelecer diretrizes de controle, de operação e de manutenção. É preciso ressaltar que estes cuidados também devem ser tomados com postos desativados. Por mais que não estejam funcionando estes ainda podem conter vazamentos e outras fontes de impacto que precisam ser investigadas.



Quanto mais exigentes e sérios forem esses estudos, melhor para o país, para a sociedade e para o meio ambiente. Então, não se assuste, os postos revendedores de combustível podem funcionar devidamente. É preciso respeitar o licenciamento, a legislação e a fiscalização ambiental e pensar em cada detalhe, o que inclui ter um controle rígido de toda a logística e das operações no dia a dia. Isso requer mais gastos, mais trabalho e manutenção, mas com certeza vale a pena frente aos riscos e aos impactos de poluição ambiental que podem ser gerados.


Tem mais dúvidas sobre postos de gasolina e PGRS? Pode entrar em contato com a Flua.



Ficou interessado no tema? Você ainda pode consultar:


Obrigado pela companhia e até a próxima!





22 visualizações

Siga-nos nas redes sociais

  • Branca Ícone Instagram
  • White Facebook Icon

© Flua Consultoria Ambiental